Mel – Imunidade nas alturas

Do alimento doce e viscoso escorrem benefícios como aumento da imunidade, proteção do sistema digestório, energia para as atividades físicas e sono mais tranquilo.

0
662

Das flores para a mesa!

Obtido a partir do néctar das flores processado por enzimas digestivas das abelhas, o mel tem cada dia mais espaço na mesa dos brasileiros graças a seu valor nutricional. "Ele é constituído por açucares simples [glicose e frutose], água, minerais [cálcio, cobre, ferro, magnésio, fósforo. potássio e selênio], aminoácidos, ácidos orgânicos [acético e cítrico], vitaminas [C, D, E e do complexo B] e boas doses de antioxidantes [flavonoides e fenólicos]", Lista Paula Macedo, professora de nutrição da faculdade Santa Marcelinha (FASM), de São Paulo (SP). E as vantagens não param por aí. De acordo com Cristina na Martins, nutricionistas e diretora do espaço CM nutrição, do Rio de Janeiro, além de ter sabor e aroma agradáveis, o mel também é antisséptico, antiviral, antiparasitário e anticarciogênico, ou seja, atua contra infecções, vírus e parasitas e diminui as chances de formação de tumores.

Por oferecer um coquetel de nutrientes, o primeiro benefício dessa delícia é o fortalecimento da imunidade. E as pesquisas que comprovam tal feito não são poucas. Um estudo na Universidade de Waikato, na Nova Zelândia. revelou que ratos alimentados com mel possuíam mais células de defesa no sangue do que seus companheiros que não degustavam a iguaria - resultado muito parecido com o encontrado em 2003 pela Universidade da Califórnia, que realizou a pesquisa em humanos adultos.

A justificativa é que as substâncias antioxidantes do mel são solúveis em água e fortalecem o plasma, que é a porção aquosa do sangue. Além disso, "os polifenóis [substâncias antioxidantes] presentes em sua composição auxiliam na proteção do organismo contra a ação dos radicais livres, prevenindo danos celulares e doenças como o Alzheimer", explica Renata Ribeiro, nutricionista da clínica que leva o seu nome, do Rio de Janeiro (RJ).

Fonte: Revista Pense Leve - 291

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Escrever um comentário
Por favor, digite seu nome